segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Dez mais

eles pensam que sou certinha
não
como aquelas do lalau
- uau!
mas sim
a intelectual de óculos de grau
formal
feito normalista do século passado
- que fado!
caretinha
com saias de pregas e meias longas
- ora chongas!
como uma aluna do sacre coeur
estudiosa e comportada
- qual nada!

quero ser a nota dez
do teatro de revista
cheia de nove horas?
só a mocinha das seis
que toma o chá das cinco
em ponto
quero ser a vilã das oito
que pinta o sete
sem deixar pista
e não conta até três
apronta
cada uma que parece duas
brinca de gato e rato
e deixa de quatro
quem ousa tirar-lhe a vez

qual de vocês?
Cheias

sobrevivente
flagelada das enchentes
que importa?
hoje a água é bem-vinda
se chove na minha horta

domingo, 1 de agosto de 2010

DIVÃ VERMELHO

Crer para Ver

o saber
das coisas 
inexistentes
o sexo dos anjos
que ninguém vê
dragão de fogo
mãe d'água
curupira
saci pererê
fadas aladas 
pressentem
os duendes
que escondem
essa gente 
que não crê

(musicado por Adolar Marin)